Artigos

 
UM BOM TESTEMUNHO NUM TEMPO DO MAU
26/02/2017
 

Carnaval é uma das festas mais promiscuas do mundo. O Brasil mergulha num ritmo alucinante e desavergonhado, onde a nudez, prostituição, vícios e violência tornam-se irmãos gêmeos. No carnaval praticamente tudo é válido e onde acontece os desastres morais, físicos e, principalmente, espirituais. É a liberação geral dos desejos promíscuos  mais  profundos da ser humano. O diabo toma conta de tudo e com carta branca dos homens, se assenta como senhor da terra, regente do mau, professor bestial e guia para o inferno. No carnaval o diabo tenta satisfazer nos homens aquele desejo antigo e frustrado que o levou fulminantemente da transformação de um anjo de luz à ser o diabo (Isaias 14: 13 – 14). Enquanto que para a maioria das pessoas desavisadas espiritualmente é tempo de euforia e agitação de alegria, para nós, servos de Deus, o carnaval torna-se um tempo de preocupação e temor pelos que amamos. O diabo chega e faz a festa. Nós, quase todos os anos, batemos em retirada para os retiros espirituais ou viajando, como se estivéssemos autorizando o reino das trevas a atacar onde, quando, quem e como quisesse. Dentre os alvos estão nossos familiares e amigos desprotegidos. Ninguém tem culpa disso! É o que culturalmente fazemos. As vezes esquecemos que estamos numa batalha espiritual e que por isso, precisamos definir estratégias que podem ser usadas nesta época. Ao fato que o diabo aumenta o suas ações, devemos ter uma preocupação bem clara em preparar nossos corações e mentes, assim como tomarmos algumas precauções: 1) Não devemos freqüentar lugares onde não convém ao salvo: “Como é feliz aquele que não segue o conselho dos ímpios, não imita a conduta dos pecadores, nem se assenta na roda dos zombadores (Salmo 1). 2) Não devemos amar as festas e os ritmos do carnaval: “Não amem o mundo nem o que nele há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele" (I João 2:15). 3) Por causa das trevas que se estabelece nessa época, precisamos andar na luz, com bons testemunhos de que essa não é a nossa festa: “Esta é a mensagem que dele ouvimos e transmitimos a vocês: Deus é luz; nele não há treva alguma. Se afirmarmos que temos comunhão com ele, mas andamos nas trevas, mentimos e não praticamos a verdade" (I João 1:5-6). 4) Precisamos interceder: "Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ação de graças por todos os homens" (I Timóteo 2:1). Diante de uma batalha espiritual, os que amamos dependem que oremos por eles. Mas como poderemos batalhar em oração, se tivermos comunhão com as obras da carne ou coisas desse mundo? Lembremo-nos: O Senhor voltará num tempo em que ninguém estará esperando, exatamente num tempo igual a esse: “O Senhor não demora em cumprir a sua promessa, como julgam alguns. Ao contrário, ele é paciente com vocês, não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento. O dia do Senhor, porém, virá como ladrão. Os céus desaparecerão com um grande estrondo, os elementos serão desfeitos pelo calor, e a terra, e tudo o que nela há, será desnudada. Visto que tudo será assim desfeito, que tipo de pessoas é necessário que vocês sejam? Vivam de maneira santa e piedosa (II Pedro 3: 9 – 11).

 

Seu amigo e pastor

Luciano Estevam Gomes